quinta-feira, agosto 06, 2009

.
HISTÓRIA DA UTILIZAÇÃO DA IMAGEM FOTOGRÁFICA NA MEDICINA

Por João José P. Edward Clode
Médico Otorrinolaringologista
Membro da A.P.P.H


O aparecimento da Fotografia deve-se a um conjunto excepcional de mistura de progressos técnicos e de evolução da sociedade que permitiram esta feliz conjugação.

Os anos que vêem nascer a fotografia vão ser igualmente, anos de grande evolução no progresso da Medicina, não é de admirar que as primeiras aplicações médicas da fotografia sejam muito precoces e assim apenas alguns meses após o anúncio no dia 7 de Janeiro de 1839 numa sessão da academia das Ciências de Paris da invenção de um novo processo que permitia reproduzir de maneira mecânica, sem intervenção manual as imagens que se formavam na câmara escura por Louis-François Arago,Astronomo e Fisico e grande figura das Ciências Francesas ,já a Medicina estava a utilizar este novo método de registar a imagem como um novo processo de demonstração.

A primeira experiência Médica com Daguerreótipos deu-se provavelmente em Paris, realizado por A. DONNÉ, que era chefe de Clínica do Hospital de Caridade de Paris, que numa comunicação á Academia das Ciências de Paris no dia 24 de Fevereiro de 1840 descreve que tendo feito algumas experiências para melhorar o processo de Daguerre, obteve um excelente resultado tirando o retrato a um morto, o tempo de exposição necessário para tirar um Daguerreótipo era entre 10 e 15 minutos, o que pode justificar o sujeito do retrato. Mais tarde em 1845 A. DONNÉ vai publicar um livro intitulado “COURS DE MISCROSCOPIE COMPLEMENTAIRE DES ÉTUDES MÉDICALES. ANATOMIE MICROSCOPIQUE ET PHYSIOLOGIE DES FLUIDES DE L´ÉCONOMIE” com o subtítulo: ATLAS ÉXECUTÉ D’APRÉS NATURE AU MICROSCOPE – DAGUERRÉOTYPE. Este atlas compunha-se de 20 folhas cada uma com 4 reproduções de imagens. DONNÉ e os seus colaboradores tinham levado 5 anos a recolher dados par a publicação deste atlas. As imagens de daguerreótipo tinham sido copiadas sobre a forma de gravuras por M.OUDET, e trata-se do primeiro livro de Medicina ilustrado por gravuras a partir de imagens fotográficas.

Quase ao mesmo tempo ainda em 1845 surge em Londres um livro intitulado de “ODONTOGRAPHY”,publicado por R.OWEN cujo volume II é um atlas com 168 desenhos feitos a partir e microfotografias.

Até ao aparecimento do colódio húmido, apenas vemos fotografias de Médicos e de Pacientes, e só a partir desta altura que começamos a ver fotografias de doenças com especial incidência na Psiquiatria e na Dermatologia.

A partir de 1852, HUGH DIAMOND, director do Asilo Psiquiátrico de Springfield, perto de Londres, começa a fotografar, através de calótipos, os seus doentes com o objectivo de documentar e poder classificar os seus doentes psiquiátricos. Outro objectivo era identificar um traço comum na face dos doentes procurando uma explicação fisionómica para as suas doenças. As imagens de Diamond foram posteriormente utilizadas num artigo de J. CONELLY, intitulado “THE PHYSIONOMY OF INSANITY” publicado em 1888 com a finalidade de colocar diagnósticos psiquiátricos a partir das imagens de Diamond.

G.B.DUCHENNE DE BOULOGNE, (1806-1875) ocupa um lugar muito importante no inicio da fotografia médica, pois é certamente o primeiro médico a compreender a importância de utilizar a fotografia de forma sistemática .Em 1852 resolve utilizar fotografia, para estudar a acção própria dos músculos e para efectuar o estudo experimental da expressão dos sentimentos humanos. Duchenne um dos pioneiros do estudo de electroterapia, vai utilizar a excitação eléctrica, mais propriamente a faradização para determinar a acção de cada músculo facial, para depois fazer a relação de cada um destes músculos com uma expressão de sentimentos. Este trabalho dirigia-se a dois públicos diferentes, por um lado aos médicos e investigadores, mas também aos artistas, permitindo-lhes o estudo e a reprodução das expressões.

Conclui Duchenne que, alguns músculos da face não contribuem para a expressão facial e que outros necessitam de 1 complementar para que possam exprimir um sentimento. Duchenne vai complementar os seus trabalhos com um extenso estudo fotográfico, publicado no seu livro “MECANISME DE LA PHYSIONOMIE HUMAINE OU ANALYSE ÉLECTRO-PHYSIOLOGIQUE DE LÉXPRESSION DÊS PASSIONS” publicado em 1862.

DUCHENNE DE BOULOGNE não estudou só os sentimentos, mas também as doenças nervosas e assim vai fotografar doentes que sofriam doenças que tinham sido recentemente descobertas e vai publicar o primeiro trabalho com fotografias contendo casos clínicos.

Em 1861,o jornal francês LA SCIENCE POUR TOUS traz uma notícia que diz o seguinte:
“APLICATION E LA PHOTOGRAPHIE A LA LARINGOSCOPIE ET A LA RHINOLOGIE”, por CZERMAK, Médico e Fisiologista de Praga.

“Há já dois anos, refere CZERMAK (que foi o primeiro Médico a executar uma laringoscopia com luz artificial em 1857), que concebi a ideia de aplicar a fotografia á laringoscopia. No folheto que publiquei em 1850 editado em Paris por J.BAILLÉRE na página 30 digo o seguinte: um fotógrafo que consultei o SR.SAMONYI respondeu-me que era possível fixar as imagens que obtínha em mim mesmo com a laringoscopia, pedi ajuda ao conhecido fotografo SR. LACKERBAUER e então colocámos o aparelho fotográfico perto do espelho no mesmo local onde habitualmente se situam os olhos do observador de maneira que as imagens transmitidas pelo espelho incidam na placa de colódio. Ainda que não tenhamos conseguido ainda obter uma imagem completa da laringe, obtivemos, imagens da glote, das cordas vocais e do ventrículo de Morgagni, pelo que não resta qualquer dúvida de é que é possível obter imagens fotográficas com a laringoscopia refere CZERMAK que teve de interromper o seu trabalho em Paris e regressar a Praga, sua terra natal, onde continuou as suas experiências com o Fotografo BRANDEIS, tendo inclusive obtido imagens em relevo pelo método da Estereoscopia.

A partir de 1870 J. M. CHARCOT conduz uma investigação para estudar a histeria. Dois dos seus alunos P. REGINALD e D. M. BOUNEVILLE, a partir de 1875, começaram a tirar fotografias dos doentes de Charcot, com o objectivo de confirmar e fixar em imagens a sintomatologia descrita por este nas suas famosas lições. O estudo daí resultante “ICONOGRAPHIE PHOTOGRAPHIQUE DE LA SALPÊTRIERÉ” é considerado uma das mais belas realizações da Fotografia Médica.

Se a Psiquiatria e a Neurologia ocupam uma parte importante do início da Fotografia Médica, outras especialidades não poderão ser esquecidas, tal é o caso da Dermatologia. No Hospital de Saint-Louis em Paris, sob direcção de A.HARDY, professor de Patologia Interna e A. DE MONTMÉJA, seu interno, foi publicado pela primeira vez em 1867 uma Revista Médica intitulada “CLINIQUE PHOTOGRAPHIQUE DE L´HOPITAL SAINT-LOUIS” inteiramente ilustrada com Fotografias Coladas. Os diferentes números foram reunidos num só volume, e constituíram um Atlas cuja divulgação foi enorme na sua época. Igualmente com imagens retiradas esta revista foi publicada o Livro: “CLINIQUE PHOTOGRAPHIQUE DÊS MALADIES DE LA PEAU” publicado inicialmente em 1866 a edição que tenho é a de 1882 e o autor das fotografias o Dr.Montméja refere na introdução que esta 3ª edição graças aos grandes progressos da fotografia utiliza fototipias, que são imagens inalteráveis para evitar a sua degradação com o tempo como tinha acontecido com as edições anteriores, tinha razão o autor como podemos provar ainda hoje 125 anos depois.

Um dos acontecimentos mais importantes para a medicina foi a descoberta da anestesia geral. Foi no dia 16 de Outubro de 1846 que foi efectuada a primeira operação sob anestesia com Éter. O acontecimento teve lugar no MASACHUSETTS GENERAL HOSPITAL e deveria ter sido fotografado sob a forma de daguerreótipo por J.HAWES, mas este impressionado com a visão do sangue renunciou ao projecto e assim a primeira fotografia de uma anestesia geral que temos foi tirada após concluída a cirurgia e mostra o cirurgião J.C. WARREN que olha em direcção a câmara. O dentista William Morton que foi o primeiro a propor a utilização do Éter não está representado na foto.

A Cirurgia foi objecto de numerosas fotografias, sobretudo nos E. U. A. durante Guerra de Sucessão (1861 – 1865). Em 1863 o Cirurgião General dos Estados Unidos deu ordem para fotografar os casos médicos mais interessantes da cirurgia da guerra, estes negativos deveriam ser enviados ao museu do exército recentemente criado. Foi assim constituída uma excepcional colecção de milhares de fotografias de feridos de guerra. As amputações que eram um dos actos médicos mais praticados durante a guerra foi objecto de inúmeras fotografias .Sobre esse acto cirúrgico é curioso lembrar que nesta época a rapidez de actuação era fundamental e assim um bom cirurgião levava para amputar uma perna cerca de 2 minutos e um braço cerca de 1 minuto, incrível mas verdade.

A Fotografia Médica foi evoluindo tal como a fotografia em geral, e os seus métodos foram sendo simplificados e aperfeiçoados, apenas irei referir mais alguns factos:
O primeiro livro publicado em Espanha com fotografias médicas é o “TRATADO CLINICO ICONOGRÁFICO DE DERMATOLOGIA QUIRURGICA” publicado em 1880 por JUAN GINÉ E PARTAGAS publicado em Barcelona em 1880, no exemplar que possuo as Três Albuminas coladas vêm num volume separado em forma de atlas, acompanhadas de outras ilustrações.
Um dos primeiros livros ilustrados com fotografias de Observações Clínicas dos olhos, ouvidos e garganta é o livro “EPITOME OF EYE, EAR, THROAT AND NOSE DISEASES”, publicado em Filadélfia em 1886 que apresenta 3 fotografias coladas em cartolinas inseridas no texto.

O primeiro livro exclusivamente sobre Fotografia Médica foi o livro de ALBERT LONDE: “LA FOTOGRAPHIE MÉDICAL” de 1893.ALBERT LONDE,Membro da Sociedade Francesa de Fotografia desde 1879 dedica o livro ao PROF. CHARCOT, dizendo que desde há 10 anos que o Prof.Charcot lhe tinha confiado a direcção do serviço fotográfico do Hospital de Salpetriére, desejando com esta obra contribuir para homenagear o hospital e o seu mestre.

Muitos outros grandes Mestres e pioneiros se poderia falar como por exemplo os trabalhos de Etienne-Jules-Marey sobre o Movimento ou de César Lombroso sobre os Criminosos.

A fotografia médica acompanhou a evolução da fotografia em geral, com o desenvolvimento das imagens estereoscópicas que permitiam ver outros detalhes e o relevo, o aparecimento da cor na fotografia embora no final do século 19 fosse de forma muito incipiente começou a dar os primeiros passos.

No ano de 1895 WILHELM CONRAD ROETGEN descobre os raios X .Um mês depois é feita a primeira angiografia por HESCHEK E LINDENTHAL.

Era o final de um século de grandes descobertas e de evolução se paralelo na história ,mas no novo século que aí vinha a evolução ainda foi muito maior ,mas esse é outro capitulo deste trabalho.


A FOTOGRAFIA MÉDICA EM PORTUGAL


.

Cabeça óssea de Mattos Lobo

A primeira aplicação da Fotografia à Medicina em Portugal, que se tenha conhecimento ocorreu em 1842. Um célebre assassino da época, Francisco Matos Lobo, tinha sido condenado à morte por enforcamento e os médicos Francisco Martins Pulido e João José Simas, requereram ao ministro do reino que o cadáver do condenado fosse entregue à Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa para estudos de Frenologia.

A Frenologia é o estudo do carácter e das faculdades mentais de um individuo a partir da forma do crânio e foi criada no final do séc.XVIII em Viena por F.J.GALL. GALL era um dos anatomistas mais famosos da sua época e baseava os seus estudos na hipótese de que o cérebro humano não era formado por um tecido funcional homogéneo mas possuía zonas circunscritas contendo cada uma funções inatas, que se localizavam em determinadas proeminências do crânio, podia-se assim conhecer o carácter de uma pessoa pela palpação ou observação do seu crânio.

Tendo o ministro autorizado, foi realizado o exame do Crânio, nos dias 17 e 18 de Abril de 1842, seguidamente no Pátio do Hospital o Crânio de Matos Lobo foi copiado para chapa de Cobre,- tal como, refere o jornal o PERIÓDICO DOS POBRES de 1842.- segundo o método de Daguerre, a imagem do Crânio de Matos Lobo saiu perfeitíssima, segundo confirmava o mesmo jornal e referia o jornal em jeito de comentário: “Se os estudos frenológicos são de alguma importância, muito bons serviços poderia prestar o Daguerreótipo. Por via dele se poderão multiplicar infinitamente os gabinetes frenológicos enriquecendo-se cada um deles com as preciosidades de todos os outros”.

A passagem da Daguerotipia à litografia tornou-se numa realidade, pela impossibilidade de reproduzir as imagens e assim o Dr. António da Costa Paiva, formado em Medicina na Universidade de Paris e Barão de Castelo de Paiva passou à pedra uma imagem obtida ao Daguerreótipo, pelo estudante, cujo nome era Lapa e Faro, da Escola Médica do Porto, do quadro representando o Juízo Final de Miguel Ângelo, esta imagem litográfica foi distribuída aos amigos dos dois artistas.


"Revista Gazeta Médica de Lisboa" de 16 de Março de 1856. Litografia a partir de um daguerreótipo de um caso de teratologia.


Em 1856, o Professor Cunha Viana publicou num artigo na REVISTA GAZETA MÉDICA DE LISBOA de 16 de março de 1856 uma litografia, a partir de um daguerreótipo de um caso teratologia. “Uma monstruosidade sem braços, nem pernas” sendo referido no artigo o seguinte, “Está exposto à admiração pública na Praça D. Pedro nº 101 – 1º andar um infeliz rapaz de 13 anos de idade que nasceu sem braços nem pernas”.Fomos vê-lo na companhia dos nossos Colegas Sr. Dr. António Maria Barbosa e Dr. Alvarenga e desde logo resolvemos fazer a história e a descrição desse fenómeno. O colega Sr. Dr.Barral , a expensas suas quis mandar fazer a estampa que acompanhou este artigo”.

A verdadeira iniciação da Fotografia Médica em Portugal vai-se dar em grande parte devido ao DR. MAY FIGUEIRA, que era Professor da Escola Médico – Cirúrgica de Lisboa e, um grande apaixonado pela fotografia. Este seu interesse pela fotografia apanhou-o durante o estágio que realizou em Paris, em 1856 no Collége de France, no Laboratório de Microscopia do Professor Charles Robin.


Retrato do Dr. May Figueiredo


De regresso a Portugal, May Figueira passou a fotografar de forma sistemática todos os casos, que achava terem algum interesse clínico para memória futura, tendo criado na sua casa da Rua António Maria Cardoso em Lisboa, um estúdio fotográfico onde executava as suas provas fotográficas.

A primeira fotografia que se sabe ter sido executada por May Figueira foi uma microfotografia realizada com um microscópio da marca Lerebours, de um doente falecido em 1857, durante a Epidemia da Febre-amarela. Esta Epidemia causou grande agitação no meio Médico Português, tendo-se até realizado em Lisboa um Congresso para só para estudar esta epidemia.

May Figueira foi escolhido pelo Dr. Alvarenga que presidia uma das secções deste Congresso para estudar a morfologia do fígado na doença. Descobriu May Figueiredo, que as alterações, consistiam numa degenerescência gorda do Fígado, muito grave. Esta descoberta foi contestada pelo Dr. Guyon em França, que referia ter sido ele o primeiro a observar tais alterações, o que levou May Figueiredo a recorrer não só a desenhos mas à realização da Primeira Microfotografia Médica realizada em Portugal.

Não há muitas notícias da aplicação da Fotografia à Medicina por outros autores e assim, entre 1862 e 1863, vamos ter um curso de Microfotografia na Escola Médico Cirúrgica de Lisboa, com o depoimento de May Figueira publicado na Revista O Instituto de Coimbra: “A última lição, que só por si constitui a quarta parte, e última do Curso, consistiu na maneira de fotografar ao microscópio solar. Mostrei várias fotografias feitas deste modo apresentando objectos de botânica, zoologia, anatomia normal e patológica e fiz também uma destas fotografias em presença de um numeroso auditório. Mostrei nesta apresentação mais de oitenta preparações diferentes”.

Em 1864, o mesmo Dr. May Figueira vai publicar um artigo intitulado “Observação de um caso de hermafroditismo masculino colhido no Hospital de São José”. São dele as seguintes palavras: “Tratei de conservar e preparar a cabeça e órgãos sexuais deste hermafrodita, oferecendo-os depois ao Museu de Anatomia Patológica da Escola Médico – Cirúrgica de Lisboa, onde podem ser vistos e observados, assim como as fotografias da fisionomia do mesmo indivíduo, que tirei durante a vida, e a dos órgãos sexuais dissecados depois da morte.


Fotografias de Teodoro César Oliva, aluno da Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, em 1863


Outro fotógrafo amador, que também se interessou pela Fotografia Médica foi Teodoro César Oliva, aluno da Escola Médico – Cirúrgica de Lisboa e do qual chegaram até aos nossos dias vários exemplares de fotografias tiradas por ele, todas elas têm uma dimensão de 6 por 6 cm e encontram-se datadas com o respectivo diagnóstico tal como refere Professor Cortez Pimentel no seu livro sobre a Imagem Médica em Lisboa.



Doente com Macroglossia Congénita, que o Prof. António Maria Barbosa operou.


No espólio do Museu Anatómico da Escola Médico – Cirúrgica de Lisboa existem ainda fotografias assinadas com o nome de M. Nunes. Não tenho conhecimento de outras aplicações fotográficas até ao final da década de 1870, altura na qual, por influência do Professor António Maria Barbosa, famoso cirurgião da época a fotografia passou a ser utilizada para o estudo dos resultados pós-operatórios, tal como é o caso de um doente com Macroglossia Congénita, que o Professor António Maria Barbosa operou em 1879 e o Professor Serrano estudou pormenorizadamente tal como veio publicado no Correio Médico de 1 de Fevereiro de 1879, em que podemos comparar as fotografias originais que vêm referidas na segunda parte do artigo. As quatro gravuras que acompanhavam este artigo são cópias fiéis das fotografias tiradas antes e depois da operação. O artigo vem assinado por Guilherme Oliveira Martins, quintanista de Medicina da Escola Médica de Lisboa.

Em meados da década de 70, começaram a ser publicadas de forma regular em Portugal as primeiras revistas periódicas com albuminas coladas. Assim vamos ter revistas como o Contemporâneo, O Toureiro ou o Algarve Ilustrado em que, cada número vinha com uma albumina colada. O número de albuminas produzidas por cada negativo devia ser relativamente pequeno, pois é muito frequente encontrar, o mesmo número da revista produzida na mesma altura com imagens diferentes sobre o mesmo assunto, quer seja retrato ou paisagem.

Maximiano Lemos, no Livro de História do Ensino Médico do Porto refere que Plácido da Costa, um dos pioneiros da Oftalmologia em Portugal, tendo inclusive descoberto um novo instrumento para a investigação rápida e completa das irregularidades da curvatura da Córnea – o Astigmatoscópio, que foi Professor da Escola Médico – Cirúrgica do Porto em 1881 e 1882 desenhou preparações microscópicas de cortes do cérebro feitas por Magalhães Lemos e que figuraram na sua tese “A região Psico – Motriz” defendida em 1882 e que, em virtude de terem sido feitos com grande dimensão foram reduzidos e reproduzidos na tese pela Fototipia.

Em 1881, Lourenço da Fonseca Júnior, um dos Pioneiros da Oftalmologia em Portugal, fundador e director do Arquivo Ophtalmoterápico, publica no número 6 -2ºAno de Nov.-Dez de 1881 um artigo intitulado “NEO-MEMBRANAS DA RETINA OU DO CORPO VITREO”que vem ilustrado na pag.149 com uma Albumina colada com uma imagem da retina.Em 1884 Lourenço da Fonseca publica o Livro “LE FOND DE L’OEIL DANS QUELQUES MALADIES MOINS FREQUENTES DE LA RETINE DE LA CHOROIDE ET DU NERF OPTIQUE” publicado por Lallemant Frères. É um livro de 25 páginas, com duas folhas de cartolina com 11 albuminas coladas. Penso tratar-se do primeiro livro Médico com inclusão de fotografias publicado em Portugal, infelizmente não consegui ter acesso a nenhum exemplar nem na Biblioteca Nacional.

Francisco Lourenço da Fonseca Júnior, foi médico, poeta, publicista e nasceu no Rio Grande do Sul no Brasil em 20 de Junho de 1848. Ainda em criança veio viver para Lisboa onde fez o seu curso de Medicina e querendo dedicar-se à especialidade do tratamento de doenças dos olhos, praticou largamente, com o Médico Oculista Van-der-Laan. Estabeleceu depois um consultório próprio na praça Luís de Camões, tendo tratado milhares de doentes. No final da década de 80, foi viver para o Brasil onde ficou uns anos. Voltou para Lisboa onde faleceu a 6 de Julho de 1902.

Na COIMBRA MÉDICA, revista quinzenal de Medicina e Cirurgia publicada em Coimbra, cujo director era o Professor Dr. Augusto Rocha, vai sair no 6º ano, no número 6 de 15 de Março de 1886 um artigo do posteriormente famoso Professor Urbino de Freitas sobre: “Um caso de lepra anestésico – tuberosa por lesões nervo-trópicas primárias”, Vinha acompanhado de 4 fototipias, ,no final do artigo vinha um aviso que dizia o seguinte:” Os senhores assinantes que quiserem adquirir fotocópias podem obtê-las pelos seguintes preços, compreendido o transporte - FORMATO PEQUENO - Phototypia em preto: 400 Reis. Phototypia em côr: 1.200 Reis: Photographia inalterável processo carvão: 1.200 Reis. FORMATO GRANDE, Phototypia em preto: 700 Reis, Phototypia em côr: 2.400 Reis. Photographia inalterável, processo carvão: 2.400 Reis.


Fototipia de "Um caso de lepra", publicado no número 6 a 15 de de Março de 1886, da revista Coimbra Médica.


Estes preços, dizia o aviso, são calculados na hipótese de ser muito limitado o número de pedidos; se for avultado, o preço será muitíssimo menor. Em todo o caso, a empresa garantia o fornecimento da colecção completa pelos seus custos sem receber daí comissão nenhuma. Queria garantir unicamente aos seus assinantes a posse dos documentos comprovativos deste importante caso.

O Professor Pires de Lima, num artigo publicado no”Tripeiro” 3º ano, número 86 de 10 de Novembro de 1910, faz uma referência às teses apresentadas à Escola Médica do Porto. Refere Pires de Lima que até essa altura teriam sido apresentadas 1323 dissertações inaugurais, referindo que muitas eram trabalhos vulgares e que, abrindo ao acaso qualquer tese, se encontrava no inicio frases de revolta contra as disposições regulamentares que forçavam todos os alunos a serem escritores. Pires de Lima destaca a tese de Magalhães de Lemos a que já fizemos algumas referências e refere existirem teses com muito valor e mérito. Silva Carvalho refere que algumas destas teses eram ilustradas com fotografias e que o Professor Hernani Monteiro, autor do suplemento da obra de Maximiano Lemos sobre a Escola Médico- Cirúrgica do Porto lhe teria feito uma relação das teses com fotografias e que eram as seguintes:

De Eduardo Pimenta “ RESSECÇÕES PERIOSTEAS” em 1891 – incluía uma fotografia colada da pata de um coelho.

De Francisco Vasconcelos Carvalho Branco – “GRAVIDEZ ECTÓPICA” em 1891 com duas fotografias de imagens de um feto.

De António Caetano Fernando Castro – “AS SALPINGITES” Em 1891 com duas fotografias com reprodução de um quisto do ovário.

De Armando de Cunha Azevedo – “Diagnóstico e tratamento de gravidez ectópica” em 1895 – com uma fotocópia de uma Peça operatória.

Na REVISTA DE MEDICINA E CIRURGIA cujos redactores eram Alfredo da Costa, Câmara Pestana, Mello Viana, Avelino Monteiro e Augusto de Vasconcelos no dia 25 de Maio de 1894 é publicado um artigo de CÂMARA PESTANA – Director do Instituto Bacteriológico e de ANÍBAL BETTENCOURT – Chefe do Instituto Bacteriológico com o título “Contribuição para o estudo Bacteriológico da epidemia em Lisboa – 1ª memória”. Este estudo vem acompanhado por 3 estampas que são 3 fototipias publicadas em separado com Imagens do Vibrião Colérico que causou a Epidemia em Lisboa e que afectou mais de 15.000 pessoas.”

A Primeira Revista Médica com impressão de Imagem fotográfica foi a “REVISTA PORTUGUESA DE MEDICINA E CIRURGIA PRÁTICAS” que no seu número 4 de 15 de Dezembro de 1896 – publicou uma fotografia de Joaquim Eleutério Gaspar Gomes, que era entre muitas outras actividades tinha sido Médico do Hospital de D. Estefânia e que faleceu em 27 de Novembro de 1896. No número 8 da mesma revista de 15 de Fevereiro de 1897, volta a ser publicada uma fotografia, esta de José António Arantes de Pedrosa, cirurgião do Hospital de São José que tinha falecido em 19 de Janeiro de 1897. O seu elogio fúnebre na revista é feito por Tomás de Sousa Martins.

Em 1884 no Livro “4 DIAS NA SERRA DA ESTRELA – NOTAS DE UM PASSEIO” de Emidio Navarro, foi José Thomas Sousa Martins famoso professor da Escola Médico-Cirurgica de Lisboa que fez o prefácio, intitulado de Carta – Prefácio .O livro é ilustrado com 12 fototipias colocadas à parte feitas a partir de clichés de A. César Henriques.

No ano de 1899, Ricardo Jorge descobre um foco de Peste Bubónica no Porto e, em colaboração com o Histologista António Plácido da Costa, publicam os seus resultados acompanhados de ilustrações fotográficas.

Em 20 de Julho de 1899 na Revista Coimbra Médica, no seu 19º ano, nº 21 encontramos um artigo de Charles Lepierre e Ângelo Fonseca- “ ESTUDO DE UM NOVO AGENTE PATOGÉNEO BACILLUS TESTICULARIS”. Este artigo vinha acompanhado por uma fototipia com imagens macro e microscópicas deste agente patogénico.

A noticia da descoberta dos RAIOS X foi publicada pela 1º vez em Portugal a 27 de Janeiro de 1896 no Jornal NOVIDADES e a 1 de Março do mesmo ano no Jornal O SÉCULO. O então enfermeiro Mor Dr.JOÃO FERRAZ E MACEDO, percebendo a utilidade desta descoberta, consegue em 1897 a instalação do primeiro dispositivo de radioscopia e radiografia no Hospital de S.José, cabendo a VERGILIO MACHADO, facultativo dos Hospitais Civis de Lisboa as primeiras investigações e manipulações nessa matéria.

O bacteriologista ANÍBAL DE BETTENCOURT, Primeiro Presidente da Sociedade Portuguesa de Photographia, criada em 1907, publicou fotografias suas em três relatórios: Um sobre o estudo do Ovário em 1901. Outro da autoria de Azevedo Neves sobre a doença do sono em 1902 e outro sobre a meningite cérebro-espinhal epidémica em 1903 da autoria de Carlos França.

A 31 de Dezembro de 1899 inaugurou-se em Lisboa, a I Exposição Nacional de Fotografias de Amadores no salão principal da Sociedade de Geografia, presidida pelo Conde de Tomar. Foi a grande explosão em Portugal de Fotografia Amadora, numa altura em que se dá a simplificação dos processos fotográficos, com a revolução causado por George Eastman (Kodak), a primeira câmara Kodak surgiu em 1888 e a famosa Pocket em 1895,é também nessa época que as películas passaram a ser em rolo e ao alcance dos amadores menos abastados. Era o início do Século da Imagem em que todos e em qualquer ocasião poderia ser guardada para sempre através da “Luz Pintora” como se dizia em 1839.
.
.

5 comentários:

cs disse...

á venda numa livraria perto de si?

excelente post informativo.

cs disse...

"A noticia da descoberta dos RAIOS X foi publicada pela 1º vez em Portugal a 27 de Janeiro de 1896 no Jornal NOVIDADES e a 1 de Março do mesmo ano no Jornal O SÉCULO. O então enfermeiro Mor Dr.JOÃO FERRAZ E MACEDO, percebendo a utilidade desta descoberta, consegue em 1897 a instalação do primeiro dispositivo de radioscopia e radiografia no Hospital de S.José, cabendo a VERGILIO MACHADO, facultativo dos Hospitais Civis de Lisboa as primeiras investigações e manipulações nessa matéria."

Tinha a ideia que a primeira radiografia em portugal tinha sido efecuada no sanatório do Funchal, que D.Amélia mandou construir ou, instituição privada mas no Funchal e , depois sim em Lisboa e 1901 nos Hospitais da Universidade de Coimbra, Hospital de São Lázaro acho. Tem alguma informação acerca desta hipotese do Funchal?

Anónimo disse...

Gostaria de salientar a existência do livro "A Documentação pela Imagem em Medicina", do Prof. Dr. Cortez Pimentel, publicado pela Universitária Editora (Lisboa) em 1996 (ISBN 972/700/058/4), onde são divulgadas várias informações e documentos iconográficos aqui utilizados.
José Ferreira da Silva
jfsilva@fmv.utl.pt

Anónimo disse...

http://achatcialisgenerique.lo.gs/ achat cialis
http://commandercialisfer.lo.gs/ commander cialis
http://prezzocialisgenericoit.net/ cialis
http://preciocialisgenericoespana.net/ cialis generico

Anónimo disse...

http://prixviagragenerique50mg.net/ viagra achat
http://prezzoviagraitalia.net/ viagra
http://precioviagraespana.net/ viagra