domingo, junho 08, 2008

Gérard Castello-Lopes visto por António Barreto.

.

.


Em 23 de Outubro de 1998 a revista Indy, suplemento do jornal Independente, publicava “Um olhar português”, um artigo de António Barreto sobre o fotógrafo Gérard Castello-Lopes. Assim escrevia o sociólogo / fotógrafo a propósito de “Lisbonne d’un Autre Temps” – (“Lisboa de Outras Eras”), uma exposição patrocinada pelo Instituto Camões de Paris em 1998.






“Um olhar Português”



Ao contrário de Fernando Pessoa, Gérard Castello-Lopes não tem heterónimos, tem vidas. Várias e sucessivas. Falo do fotógrafo, que é o que nos traz aqui, não do homem, cuja unidade parece maior e não cabe em meia dúzia de páginas. Para mal dos nossos pecados, e dos dele, espero, não nos deu tantos anos de fotografia quantos os que leva de vida adulta, como deveria ser. Começou a fotografar, em 1956, com mais de trinta anos, idade difícil para uma arte que exige candura na aprendizagem. Fotografou durante uma década, talvez menos. Depois, parou. Perdera a ousadia. Não se sentiu mais capaz de, afirmar, agredir as pessoas na rua, fotografar quem não o deseja. Tanto mais quanto considera que, naturalmente, ninguém quer ser fotografado. Em todo o caso, ninguém o quer ser de surpresa, por um estranho. Durante vinte anos, pôs de lado as Leicas. Percebe-se hoje, pelo que diz e como fotografa, que o sofrimento não o abandonou. Com, todavia, um lenitivo: estudou, pensou e amadureceu. Em meados dos anos oitenta, regressou. Para nosso bem. E dele, espero.
Os bons fotógrafos são quase todos tímidos. Conheço bastantes. Alguns são-no mesmo exageradamente. Julgo percebê-los. Fotografar substitui o acto de falar com os outros. Conhecê-los. Viver com eles. A fotografia, a imagem preservada, será o modo a que tímidos recorrem para manter uma qualquer relação com o real, congelado esteja este. Todavia, os tímidos não são grosseiros, bem pelo contrário. É, muitas vezes, a delicadeza que os fez assim. Os verdadeiros tímidos não têm medo, receiam magoar. O que quer dizer que se interessam: pelo mundo, eventualmente pelos outros. Creio que Gérard Castello-Lopes será um “grande tímido”, daqueles que esconde a insegurança na erudição e na ironia. Mas, estranhamente, fala mais do que fotografa. Escolhe as suas palavras, pesa as frases e selecciona citações. Com o mesmo cuidado com que deve separar as suas fotografias, elegendo as melhores, muito poucas, deixando sem vida a maior parte. O que há de singular, com Gérard, é que foi a timidez que o levou, não a fotografar, mas a deixar de praticar aquele que poderia ter sido o seu ofício. Esta será a primeira exposição daquele longo período de “pousio”, que aliás, preparou uma nova fertilidade. Mas há uma segunda explicação, que não sei se é dele, mas tenho por certa: o real limita a sua criação. Sempre foi. Este grande amador viu-se um dia preso pelo real, condicionado pela fotografia e fechado dentro das fronteiras do programa da “arte empenhada”. Sem necessidade de, da sua arte, fazer profissão, preferiu abandonar. Até que o mundo dos anos oitenta e uma sabedoria longamente decantada lhe fizeram ver que a criação não era pecado e que a fotografia, apesar do constrangimento essencial, permitia voar e autorizava que o espírito perdesse peso e amarras.






.

.
Gérard, cultor de paradoxos, fotógrafo parcimonioso, falador impenitente, ajudou-me involuntariamente a consolidar uma opinião que escondi durante anos: uma imagem não vale mil palavras. Nunca gostei desta invenção de manipuladores de consciências, de publicitários e de provocadores de emoções fáceis. As imagens, e conheço algumas, podem estar na origem de choques emocionais, levar-nos às lágrimas, causar-nos nojo e estimular-nos na revolta. Mas não substituem a palavra. Enriquecem-na, provocam-na e complementam-na. Dispensá-la? Nem pensar. Hoje sabe-se que a imagem, com arrogantes pergaminhos de verdade, pode ser a maior mentira de que os homens são capazes. Com a imagem se faz, desfaz e refaz a história. Mesmo as fotografias realistas, testemunhos, verdadeiras na sua realidade, fortes na sua crueldade, podem esconder mundos e outras verdades. Ou antes, escondem mesmo. De todas as guerras, de todos os regimes políticos, de todos os amores sobram fotografias que não são tudo, nem toda a verdade, nem só verdade, por vezes nem sequer verdade.
As fotografias de Gérard pedem mil palavras. As dele, de preferência, a que, com volúpia, nunca se nega. Mas também as nossas. As de quem o vê ou ouve. As de quem observa as suas imagens. As dos outros artistas. E as dos poetas. Juntem-se estas fotografias lisboetas aos poemas, não de Fernando Pessoa, mas de Alexandre O’Neill, e veremos que é o casamento feliz. Não há fusão, igualdade ou sobreposição. Há sensibilidades próximas. E uma infinita e doce ironia de que só são capazes os que não se levam demasiado a sério. Apesar da diferença e do confronto. E do conflito.
A Lisboa de Gérard é quase a Lisboa de Pessoa. Física e cronologicamente. As ruas, o estendal, as crianças, os velhos e os burgueses podem ser os mesmos. Uma ou duas décadas separam ambas. Para o tempo, era pouco. Mas estética e humanamente, a Lisboa de Gérard não é a Lisboa de Pessoa. A cidade de Pessoa é triste, como ele próprio. Irreal como o poeta. “Sem corpo”, disse-me um dia Gérard. É uma cidade que Pessoa quereria “triste e alegre”, mas que é apenas a “cidade da minha infância pavorosamente perdida” (Álvaro de Campos). Lisboa para Pessoa é “o meu lar” (Bernardo Soares). Lisboa é uma aldeia com medo de parecer cidade. Lisboa é o amor da sua memória, a memória do nunca conheceu mas inventou. Lisboa é a aldeia e o espaço que nunca teve. Lisboa é geografia inventada para um espírito sem carne. Lisboa é um heterónimo.

.




.........
.

.
A Lisboa de O’Neill é uma cidade. Como a de Castello-Lopes. Matreira e empertigada, mas cidade. Ridícula e aperaltada, com vergonha de parecer aldeia, mas cidade. Decadente, mal arrumada e com roupa a secar ao sol, mas cidade. De calcário, estuque e azulejos. De casais a passear na Baixa. De chefes de repartições com fatos de três peças. De faias e malandros. Do cego sincero e do cego que vê com olho maroto. De miúdos a jogar à bola e de cavadores diante da Torre de Belém. É a cidade que olhamos, que ambos olharam com ternura e raiva. “Que fazemos, Lisboa, os dois, aqui, na terra onde nasceste e eu nasci?” Tenho a certeza de que Gérard Castello-Lopes, ao ler este verso de Alexandre O’Neill, pensa que é consigo.
A liberdade de Castello-Lopes foi também a sua prisão. Pelo menos viveu-a como tal. Nos anos cinquenta em Portugal não se podia ser inocente. Nem a liberdade interior, refugio de tantos criadores, era possível. Ainda por cima, para alguém que queria viver com a imagem. A liberdade, nas décadas do realismo e do empenhamento político ou moral, era inseparável da solidariedade. Para ambas, o outro e os outros estavam no centro do mundo. Mas, nem todos, aliás. Não era a condição do homem que estava no centro do mundo. Mas o homem e sua condição. Quer dizer, o oprimido, o pobre, o trabalhador e o resistente. A “família do Homeme” parecia, e talvez fosse em certa medida, uma armadilha ideológica dos poderosos.
Se havia artes, letras e formas de expressão para as quais o empenhamento e o real eram difíceis ou discutíveis (a musica, a dança...), para outras, eram imediatos e necessários. Para a fotografia, era a sua essência. Naqueles tempos, o mito do real dominava. Nem tempos de certezas. A principal era real. Este bastava para denunciar as injustiças.
Por imperativo moral, por espírito do tempo e talvez porque lhe faltasse o talento da pintura, Gérard Castello-Lopes fez o seu programa de empenhado e realista. Estudou Cartier-Bresson e Eugene Smith, fez deles os seus mestres. Compreende-se agora que a eles nunca se limitou e que há, na sua fotografia, uma tensão libertadora, uma pulsão para transgredir as normas e as regras. Foi a sua primeira vida. Desempenhou-se durante aqueles poucos anos, magistralmente. São desse tempo as fotografias reunidas neste conjunto inspirado por Lisboa.
São um formidável testemunho daqueles anos portugueses. Não são documentário, que Castello-Lopes não foi jornalista. Mas são exemplo e prova da experiência social de um artista. Estas fotografias mostram já que o seu autor não está totalmente à vontade dentro de fronteiras do realismo militante. O universal espreita em cada imagem de circunstância. Em todas elas, a criação parece empurrar a realidade. Fotografar o trabalhador, o pobre, o digno oprimido ou o vilão satisfeito pode ser o mesmo que agredir o ser humano. Mas programa empenhado exige a agressão, pois permite o testemunho. O fim, nobre, vale os meios, duvidosos. O Fotógrafo rendeu-se. Abandonou a sua arte. Viveu mais de vinte anos a lutar contra o seu excepcional talento. São décadas de silêncio fotográfico. Ou de cegueira auto-infligida. Desta sua segunda vida sofremos nós: fomos esbulhados de uma obra de criação de que nunca seremos compensados. E os portugueses bem precisavam dela. Com reduzidas tradições fotográficas, com poucos talentos, com décadas de arte e cultura dirigidas (pelo Estado sobretudo, mas pela oposição também, por vezes...) e com uma eficientíssima censura do espírito, Portugal ficou pobre neste que é o modo de expressão do século XX, a imagem.





.

.




A terceira vida de Gérard começou nos anos oitenta. Amigos sabedores e de gosto fotográfico exigente foram acordar as “imagens latentes”. Ou jazentes, com mais propriedade. Voltaram a dar-lhe vida, isto é, mostraram-nas. Viu-as quem quis, percebeu-as quem pôde. Os mais livres apreciaram-nas como grande descoberta.
Curiosamente, o efeito não foi o de uma ressurreição mas o de um renascimento. A exposição do seu passado, permitiu-lhe romper com ele. Com uma nova linguagem e um novo programa. Deixou de agredir as pessoas. Já não sente necessidade de, pela imagem, testemunhar a condição humana. Retornou com mais liberdade, a pulsão criativa. A natureza, os objectos, a matéria, as formas e as sombras povoam as suas fotografias contemporâneas. Mas atenção: olhe-se atentamente para estas novas imagens. Os corpos ganham movimento. A luz e a sombra transformaram-se em objectos e sujeitos de desejo. A leveza e a agilidade surgem como qualidades dos pesos mais pesados e dos materiais mais inertes. Não conheço uma fotografia que não tenha um vestígio animado. Seja pela humanidade dos objectos, seja pela presença discreta, afastada, imperceptível, do indivíduo e da sua acção. Seja porque Gérard, à sua conta, decidiu animar e soprar-lhe vida. Foi possível corrigir-se, mas manteve-se sem emenda.


Gérard Castello-Lopes por António Barreto, in revista Indy de 23 de Outubro de 1998, Jornal Independente
.

.

49 comentários:

Anónimo disse...

cheap viagra online highest quality generic viagra - buy viagra online rx

Anónimo disse...

viagra price buy generic viagra online overnight - viagra experiences

Anónimo disse...

buy generic viagra buy cheap viagra online with prescription - buy viagra online answers

Anónimo disse...

viagra online without prescription viagra-online.me.us - german viagra for women

Anónimo disse...

viagra online without prescription generic viagra online mastercard - buy viagra 100mg

Anónimo disse...

buy soma soma benzodiazepine drug test - soma 250 muscle relaxer

Anónimo disse...

buy soma online soma muscle relaxant drug - soma drug testing show up

Anónimo disse...

order soma sells soma bras - order soma to arizona

Anónimo disse...

buy soma buy soma online no rx - buy aura soma australia

Anónimo disse...

cialis online order generic cialis online - cialis online pharmacy

Anónimo disse...

soma online side effects soma muscle relaxer - soma 250 high

Anónimo disse...

buy cialis online can buy cialis usa - cheap cialis in usa

Anónimo disse...

buy generic tramadol no prescription tramadol for dogs human use - tramadol with tylenol

Anónimo disse...

buy tramadol online tramadol 50mg tablets ingredients - buy tramadol australia

Anónimo disse...

buy cialis online generic cialis online overnight - price viagra versus cialis

Anónimo disse...

buy cialis online generic cialis zoll - cialis coupon

Anónimo disse...

buy tramadol online no prescription cheap cheap tramadol without prescriptions - order tramadol rx

Anónimo disse...

generic xanax prescription xanax online buying - xanax and alcohol teenagers

Anónimo disse...

buy tramadol tramadol withdrawal last - tramadol no prescription free delivery

Anónimo disse...

xanax for sale without prescription xanax 2mg white - 2mg xanax street price

Anónimo disse...

generic xanax xanax tablets side effects - xanax round white

Anónimo disse...

alprazolam price buy xanax online without - xanax withdrawal ringing ears

Anónimo disse...

xanax online buy xanax online prescription - pass drug test with xanax

Anónimo disse...

cheap xanax online xanax effects drinking - buying xanax without a script

Anónimo disse...

generic xanax xanax overdose amount mg - xanax withdrawal symptoms duration

Anónimo disse...

buy tramadol tablets tramadol hcl 100 mg tablets - tramadol withdrawal in cats

Anónimo disse...

buy carisoprodol carisoprodol zoloft - carisoprodol codeine

Anónimo disse...

xanax online drug test long does xanax stay system - xanax drug rash

Anónimo disse...

buy cheap cialis online no prescription cialis 5mg online australia - buy cialis online in usa

Anónimo disse...

xanax online xanax drug forms - xanax 720

Anónimo disse...

cialis online cialis daily kaufen - cheap cialis generic no prescription

Anónimo disse...

buy cialis soft tabs genuine cialis price - generic cialis viagra and levitra

Anónimo disse...

buy cialis online cialis yellow pill - cialis 5mg online usa

Anónimo disse...

cialis online buy cialis over the counter - buy cheap cialis on line

Anónimo disse...

cialis online cialis daily hypertension - generic cialis work

Anónimo disse...

buy tramadol tramadol hydrochloride 50 mg effects - high off tramadol 50 mg

Anónimo disse...

buy tramadol mastercard tramadol lexapro - where to buy tramadol online

Anónimo disse...

buy tramadol overnight delivery buy tramadol personal check - tramadol 625

Anónimo disse...

can you buy tramadol online legally can you order tramadol online - tramadol overdose

Anónimo disse...

tramadol online pharmacy buy tramadol hydrochloride - order tramadol online 100mg

Anónimo disse...

http://landvoicelearning.com/#51602 tramadol buy online usa - tramadol hcl 50

Anónimo disse...

buy tramadol where can i buy cheap tramadol - tramadol for dogs expiration date

Anónimo disse...

http://www.integrativeonc.org/adminsio/buyklonopinonline/#9183 5 mg klonopin high - klonopin necklace

Anónimo disse...

http://landvoicelearning.com/#51438 where to buy tramadol in the usa - buy tramadol online usa

Anónimo disse...

buy klonopin online how to buy clonazepam online - safe buy klonopin online

Anónimo disse...

http://www.integrativeonc.org/adminsio/buyklonopinonline/#5508 klonopin high blood pressure - klonopin online no prescription overnight

Anónimo disse...

http://buytramadolonlinecool.com/#73892 get tramadol online - buy tramadol online from usa

Anónimo disse...

buy tramadol no prescription overnight tramadol hydrochloride 50mg dosage - buy tramadol online from usa

Anónimo disse...

klonopin klonopin dosage xanax - high tolerance for klonopin