sábado, abril 28, 2007

Gostos...




.
.
.
.
..
Gosto de Bizâncio, Constantinopla, Istambul. Gosto de acordar a ouvir chamarem para a oração. Gosto das mulheres com os olhos iguais aos da afegã da capa do “National Geographic” fotografada por Steve McCury. Gosto daquelas mulheres que nem os olhos se lhes vêem. Gosto da virilidade dos homens turcos. Gosto de regatear sonhos e ilusões. Gosto de condimentos fortes, comer sentada no chão, à volta de uma frigideira enorme de onde se serve toda a família. Gosto de molhar os dedos em molhos de paixão. Gosto de Kebab. Gosto de Karniyarik (beringelas recheadas). Gosto de lavar as mãos com colónias baratas. Gosto da cor dos rebuçados enrolados em paus. Gosto do calor sufocante que nos cola a roupa ao corpo. Gosto dos vendedores de perfumes e dos frascos escondidos nas caixas de madeira velha e latão. Gosto da neve branca que nos prende no quentinho dos hotéis. Gosto de me sentir segura nos templos de todas as religiões. Gosto de derreter-me nos banhos turcos. Gosto de passear à noite pelos bairros de Istambul e perder-me nas vielas. Gosto de me encontrar, num mercado negro, às duas da madrugada e ouvir os cambistas regatear moeda e os russos a venderem vodka e caviar. Gosto de Mustafa Kemal o “pai dos turcos”. Gosto de procurar sonhos no meio da multidão. Gosto dos panos que pintam de cores as mesas dos cafés. Gosto de esperar que o café assente no fundo da chávena. Gosto de me descalçar à entrada das mesquitas. Gosto de me aquecer nos tições incandescentes que queimam as folhas de tabaco. Gosto do fumo e do cheiro enjoativo dos cachimbos. Gosto dos chás com sabor a frutas, laranja, limão, maçã. Gosto de muçulmanos, de mouros e de árabes. Gosto de olhos castanhos. Gosto de peles douradas. Gosto da luz açafrão que nos entra pela alma. Gosto ao entardecer, na ponte Gálata, ver a cidade recortada pelo sol que adormece por detrás das silhuetas das mesquitas, como nos contos das mil e uma noites. Gosto de me sentar a olhar o Mar Negro e esperar o barco onde hei-de regressar. Gosto dos tapetes de reza virados para Meca. Gosto de passear ao lusco-fusco à beira do Bósforo. Gosto dos sumos frescos de romã. Gosto dos meninos vestidos de príncipes no dia da circuncisão. Gostos dos curdos, dos arménios, dos russos, dos búlgaros, dos gregos, que negoceiam no Bazar. Gosto da Baklava com frutos secos. Gosto...
Ângela Camila Castelo-Branco
.

5 comentários:

Madalena Lello disse...

Gosto das fotografias da Ângela Camila

cs disse...

é um prazer passar por aqui. este post é muito bonito.
é tão bom gostar desta maneira..:))

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Angela Camila disse...

Para si, “cinco-sentidos”, aqui lhe deixo um poema de David Mourão Ferreira

Nós temos cinco sentidos:
São dois pares e meio d’asas.
- Como quereis o equilíbrio?

cs disse...

aiiiiiiiii....e logo DMF. Acertou em cheio. :))